Copa São Paulo: União e trabalho são os segredos do sucesso dos goleiros do Furacão

12/01/2018 - Imprensa CAP
Créditos: Cahuê Miranda/Site Oficial
Fernandópolis (SP) – A classificação do Atlético Paranaense para a terceira fase da Copa São Paulo de Futebol Júnior ficou marcada por uma substituição no gol. Quando o jogo diante do Guarani (SP) se encaminhava para a disputa de pênaltis, o técnico Marcão colocou o goleiro Gabriel no lugar de Juliano, aos 46 minutos do segundo tempo.
 
E o camisa 12 foi decisivo na classificação atleticana, ao defender duas cobranças. Para o preparador de goleiros da equipe Sub-19, Marcelo Grimaldi, o desempenho dos goleiros é fruto de muito trabalho. “Temos uma programação semanal, com trabalhos relacionados a velocidade de reação, tomadas de decisão, concentração e controle do nível de ansiedade. Isso serve para prepará-los para essas situações extremas”, afirma.
 
Grimaldi diz que a decisão de fazer a substituição na hora das penalidades foi tomada em conjunto com o técnico Marcão, com base do desempenho dos goleiros nos últimos treinos. “Trabalhamos para deixá-los preparados para qualquer situação. O Gabriel tem por característica uma facilidade muito grande nesse tipo de situação. Conversamos na noite anterior e optamos por fazer essa alteração”, conta.
 
Apesar da escolha contra o Guarani (SP), o preparador de goleiros atleticano garante que Juliano também está pronto para defender o Furacão em em situações semelhantes. “Nossa primeira opção é ganhar o jogo no tempo normal. Se o Marcão tiver que usar todas as substituições antes, o Juliano está apto para a decisão por pênaltis”, completa.

 
Todos pelo grupo
 
Para Gabriel, entrar em campo apenas para a disputa de pênaltis foi uma experiência inédita. Porém, levada com tranquilidade pelo jovem. “Foi a primeira vez que eu entrei em uma situação dessas, mas o Marcão havia comentado com a gente sobre a troca. Temos que estar sempre preparados e focados. Isso mostra a importância do grupo. Todos podem dar conta do recado”, ressalta.
 
Juliano, que atuou no tempo normal, encarou com naturalidade a mudança e vibrou muito com as defesas de Gabriel. “A decisão é do Marcão. Eu dei o lugar a ele (Gabriel) com toda a confiança, pois sei a qualidade que tem, principalmente nos pênaltis. O mais importante não é quem estava no gol e sim a vitória e a classificação do Atlético”, afirma.