ARENA CAP

ARENA CAP

Estádio Joaquim Américo Guimarães

Apelido: Arena da Baixada

Capacidade: 43.000

Recorde de público: 39.375 

(Espanha 3x0 Austrália - Copa do Mundo 2014 - 23/06/2014)

Endereço: Rua Buenos Aires, 1260 - Curitiba/PR.

COMO CHEGAR

História da Arena

A história da Arena começa em 1914, quando o presidente do Internacional Foot Ball Club, Joaquim Américo Guimarães, comandou a construção de um estádio no coração do bairro Água Verde. Após a fundação do Clube Atlético Paranaense, em 1924, o Rubro-Negro começou a utilizar o estádio, batizando a praça esportiva com o nome do principal responsável pela construção.

Entre 1937 e 1939, o estádio sofreu a primeira grande modificação com a instalação da arquibancada de concreto coberta.

A segunda reforma ocorreu em 1967, com a construção de novos degraus na arquibancada, novos vestiários e alambrados. O primeiro sistema de iluminação do Joaquim Américo foi instalado em 1980. Neste mesmo ano, o estádio foi novamente ampliado.

Em 1986, o Atlético Paranaense passou a mandar seus jogos no estádio do Pinheirão e só voltou a jogar na Baixada em 1994, após ampla reforma e ampliação. Com capacidade para 20 mil pessoas, o jogo de reinauguração ocorreu no dia 22 de maio. Vitória de 1 a 0 do CAP sobre o Flamengo.

Da revolução para a Arena da Baixada

O dia 26 de maio de 1995 é uma das datas mais importantes na história do Clube Atlético Paranaense. Foi em uma reunião neste dia que o CAP passou por sua maior revolução. Uma Comissão Gestora, liderada por Mario Celso Petraglia, foi criada e implantou uma nova filosofia dentro do clube. A partir deste momento, o Atlético começou a ser administrado de maneira competente e profissional.

Passados dois anos da revolução, o CAP iniciou uma nova etapa em sua vida. Em dezembro de 1997, o estádio recebeu a sua maior alteração e iniciou a construção da Arena, em um projeto ousado e inovador.

A inauguração, no dia 24 de junho de 1999, foi um dos maiores espetáculos que a cidade de Curitiba já presenciou. A partida que marcaria o retorno do Atlético para a sua casa estava marcada para a noite de quinta-feira, mas desde a manhã já era possível ver camisas e bandeiras rubro-negras pela cidade.

A empolgação da torcida era algo contagiante, pois durante os 18 meses de construção muitos acompanharam as obras no Mirante, que virou um ponto de encontro dos rubro-negros e também serviu como local para a conquista de novos atleticanos.

Aberta ao público, a Arena impressionou e emocionou. Não há descrição exata que possa definir o que a torcida atleticana sentiu naquela noite. Desde a parte interna do estádio, com a praça de alimentação, o  acesso em diversas escadas e elevadores, chegando as arquibancadas, coladas ao campo, criando mais uma vez o Caldeirão do Furacão, tudo era comentado e fotografado pela torcida.

Quando faltavam minutos para o primeiro jogo da nova Arena, foi iniciada a inauguração. Um maravilhoso show de luzes rubro-negras, seguidas de um espetáculo pirotécnico deram lugar a voz da cantora Andréa Chrys. Junto a 32 mil pessoas, o hino do Clube Atlético Paranaense foi entoado em um momento único.

Após o hino, as equipes do Atlético Paranaense e Cerro Porteño (PAR) entraram em campo para a primeira partida da Arena. E, assim como na volta da antiga Baixada em 1994, o Furacão venceu seu jogo de estreia.

Logo aos sete minutos, após cruzamento do lateral-direito Luisinho Netto, o atacante Lucas marcou o primeiro gol na nova casa atleticana e explodiu de alegria o Caldeirão. No início do segundo tempo, Gauchinho empatou para o time paraguaio. Mesmo com o time empatando, a torcida atleticana dava um show nas arquibancadas. O incentivo aumentou ainda mais quando o lateral-esquerdo Vanin marcou o gol da vitória atleticana e fechou com a chave de ouro a inauguração do estádio mais moderno do Brasil.

Dentro da Arena, o Atlético Paranaense conseguiu resultados expressivos que levaram a conquistas como Seletiva da Libertadores (1999), o Campeonato Brasileiro (2001) e dois vice-campeonatos: Brasileiro de 2004 e Copa Libertadores da América de 2005.

Dez anos depois da construção, o CAP inaugurou o Setor Brasílio Itiberê na vitória por 1 a 0 sobre o São Paulo, no Campeonato Brasileiro.

Naming Rights

No ano de 2005, o Clube Atlético Paranaense manteve o pioneirismo no futebol brasileiro e se tornou o primeiro clube a assinar um contrato de naming rights. O estádio atleticano passou a se chamar Kyocera Arena, após a parceria com uma das maiores empresas no manuseio de documentos digitais.

O CAP continuou sendo o responsável pela administração e operação do estádio, com total autonomia. O acordo com a Kyocera, que também envolveu o patrocínio no uniforme, durou até 2008.

Copa do Mundo

No dia 04 de outubro de 2011 aconteceu o reinício das obras de reforma e ampliação da Arena da Baixada para sediar jogos da Copa do Mundo de 2014, representando uma nova fase para o Estado do Paraná, para a cidade de Curitiba e para o Clube Atlético Paranaense. A ARENACOPA contribuirá para deixar um legado de grande relevância para toda a população paranaense. Confira mais informações sobre o projeto no site www.arenacap.com.br